Eu gosto mesmo é de escrever…

Olá! :]

Hoje estava pensando em quais motivos me fizeram ter este blog, não tenho muitos acessos, e muitas vezes ninguém lê… seria isso um problema? Para mim não, pois eu gosto de escrever! As vezes preciso simplesmente esvaziar a cabeça, ou colocar para fora algo que se passa pela minha cabeça.

Eu não me preocupo com as visualizações que tenho aqui, e muito menos tenho a pretensão de ficar rica com o blog (mas seria um sonho), se um dia um pudesse trabalhar escrevendo, seja no meu blog, ou onde for, sei que isso me traria muita felicidade.

Quando estava pensando em qual faculdade cursar, fiquei em dúvida em cursar jornalismo, mas por medo de não conseguir um emprego na área, acabei optando por fazer administração (que eu gosto bastante também). Nunca sabemos o rumo que nossas vidas podem tomar, então não descarto nenhuma possibilidade, por mais distante que ela pareça estar.

Então o conselho que deixo hoje para vocês é: faça com amor, por gostar, por se sentir realizado… mas não espere nada em troca, e vibre com cada retorno que tiver.

Até a próxima!
Beeijos ;*

Não romantizem e problematizem tudo!!

Olá pessoal, tudo bem?!

Recentemente tivemos uma polêmica na internet, desta vez envolvendo o YouTube Kids e questionando a sua segurança. Eu fiquei me segurando para não comentar nada, até porque não sou mãe… mas mesmo assim vou dar minha opinião.

Eu nem vou questionar o fato de crianças ficarem o dia todo assistindo vídeos pela internet, pois como já disse ali acima, não sou mãe, e não foi falar algo que possa pagar a lingua, mas a questão é a seguinte: As pessoas estão ficando a cada dia mais preguiçosas, quanto mais fácil as coisas são, mais as pessoas ficam acomodadas. Quando eu era criança, minha mãe também colocava desenhos para a gente assistir, e ela poder suas coisas tranquila, mas naquela época eram os famosos VHS, então ela não tinha que se preocupar com conteúdos que poderiam estar “infiltrados” indevidamente em meio ao desenho.

Eu só queria entender o motivo dos pais não se preocuparem com o que os filhos estão assistindo, se o conteúdo está de acordo com as suas convicções ou se se é adequado para aquela faixa etária… Hoje em dia é possível deixar o conteúdo disponível offline, existe o Netflix… tantas formas que você pode separar um conteúdo bacana para a criança, qual o motivo de não utilizar destas ferramentas?!

Hoje em dia eu só vejo país procurando uma desculpa externa para justificar algumas atitudes dos filhos, culpa dos jogos de videogame é o que mais vemos por ai… mas será que não falta uma preocupação maior por parte dos pais?! Vejo muitas pessoas valorizando a criação com princípios, amor e respeito, mas vejo muitos pais negligenciando a criação dos filhos, e problematizando tudo para tentar achar um culpado.

Então, no meu ponto de vista o problema não está em seu filho ficar horas assistindo videos e desenhos, o problema está nos pais não se preocuparem com o tipo de conteúdo estão consumindo. Então, reserve um tempo no final do seu dia, deixe de dar aquela ultima visualizada no Instagram antes de dormir, e assista alguns desenhos e vídeos infantis, prepare uma playlist para o seu filho, preocupe-se com ele. Ser pais é cuidar, zelar e tudo isso é uma forma de demonstrar amor.

Vamos contribuir para que no futuro,tenhamos uma geração melhor das que tivemos até agora.

Beeijos ;*

Meu novo trabalho em Portugal

Após momentos complicados relacionados ao meu trabalho anterior, segui firme na busca por uma nova oportunidade. Não é nada fácil, e em vários momentos me senti derrotada, e arrependida por ter deixado o outro (mesmo sabendo que não valia a pena continuar lá).

Hoje, posso finalmente dizer que encontrei uma oportunidade melhor, uma oportunidade diferente… algo que é novo para mim, que eu aprendo todos os dias! Acho isso tudo tão fascinante, pois sei que no Brasil eu provavelmente não trabalharia nesta área, por mais que eu tenha bastante experiência com atendimento ao público, eu não tenho nenhum curso nesta área em especifico. E a mensagem que eu gostaria de deixar aqui é que vocês nunca desistam, e se algo não estiver bom para vocês, corra atrás para mudar esta situação… seja no Brasil ou em qualquer outro lugar do mundo.

Hoje estou tendo oportunidade de aprender coisas novas, e a dinâmica de uma recepção de hotel. Todos os dias tenho contato com pessoas falando em diversos idiomas, e isso me ajuda bastante no desenvolvimento do meu inglês e espanhol. Claro que nem tudo são flores, trabalho por turnos, muitas vezes perco momentos por estar trabalhando, deixo de dormir com a minha família… mas tudo isso faz parte do meu crescimento, e nada é para sempre.

Quando decidimos sair do nosso país e encarar um desafio de começar do zero, temos que estar cientes das condições que deveremos enfrentar, afinal, estamos construindo nossa vida em um lugar novo, que ninguém nos conhece, ou nossos pais, tios… ou a empresa que você trabalhou durante anos ou aquela empresa super conceituada que você fez estágio…nada disso vai ter muito peso por aqui, aqui você vai precisar mostrar o seu potencial.

Quem estiver fazendo planos para vir para Portugal, tenha consciência disso, você precisa vir disposto a começar a vida do zero, e aceitar oportunidades que no Brasil talvez não aceitaria (nem vou comentar no caso de pessoas sem documentos, ok?!).

Então é isso!
Beeijos ;*

A saga do meu emprego

Olá pessoal, tudo bem?!
Semana passada eu compartilhei um desabafo por aqui, falando sobre o meu trabalho aqui em Portugal… e escrevi que nem todo emprego é pra gente, mas sinto que esta informação ficou vaga, então vou compartilhar um pouco sobre a minha experiência.

Quando eu trabalhava no Brasil, todo o dinheiro que entrava na empresa passava por mim, e como podem imaginar, era uma responsabilidade enorme, e a gente acaba sentindo o peso de nossas responsabilidades. Quando vim para a Europa, comentei com o Lucas que queria um emprego mais tranquilo por aqui… sem muitas responsabilidades e etc… e sabe o que me apareceu?! Operadora de caixa em um supermercado.

Eu topei na hora, achei que tiraria de letra… mas não foi bem assim, quando eu sentei naquela cadeira e comecei a sentir aquele peso da responsabilidade novamente eu surtei. Eu não conseguia relaxar, não conseguia ficar tranquila. Quando fico nervosa com algo, fico vermelha no pescoço, não sei o motivo, mas sempre foi assim… e enquanto eu conversava com a responsável sobre não estar conseguindo lidar com a situação, eu conseguia sentir o colo e o pescoço queimando! Então quando digo que nem todo trabalho é pra gente, é disso que estou me referindo… o estresse me atinge de uma forma que chega a ser física, e eu não posso me obrigar a estas situações, afinal, não quero acabar desenvolvendo algum problema mais sério.

Por hora a vida segue a mesma… ainda não me desliguei da empresa, pedi para trocar de função, mas as coisas ainda não estão legais para o meu lado, pois sinto um descaso pela empresa, ou talvez seja a forma deles de trabalhar… não sei.

Hoje pretendo reunir forças e ir lá por um fim nesta história, para que novas oportunidades possam surgir.

Até o próximo post, ou desabafo!
Beeijos ;*

 

Nem todo trabalho é para você…

Olá pessoal!

Hoje trago aqui para o blog uma autorreflexão dos últimos dias, será que qualquer emprego é bom para a gente?!

Desde que cheguei em Portugal, a minha maior ambição era encontrar um emprego, e poder ter mais contato com os portugueses, com as diferenças linguísticas e também ter um dinheiro para podermos viver mais confortavelmente. Assim que uma oportunidade aparece, a gente nem pensa muito e já agarra, não é mesmo?! Pois é, comigo não foi diferente. Recebi uma proposta para trabalhar em um supermercado, part-time, e resolvi encarar… No começo foi uma empolgação geral, e acabamos não nos atentando a pequenos detalhes importantes.

Tive que ir até Lisboa para participar de um treinamento, e fazer uma espécie de integração, parecida com as que fazemos no Brasil, e lá mesmo distribuíram os contratos. Quando vi a remuneração no contrato fiquei em choque, era muito inferior ao que esperávamos… dei uma desanimada, confesso! Na hora mandei mensagem para o meu namorado, e ele muito paciente me acalmou dizendo que tudo bem, afinal, era part-time. Como esse dinheiro seria apenas para complementar a nossa renda, resolvi continuar.

Mas ai que mora o problema, e isso não acontece apenas com as pessoas que morar fora do país… nem todo trabalho é para a gente, claro que se você precisa, não tem para onde fugir, tem que agarras as oportunidades e tentar investir m sua carreira para conseguir outras oportunidades, mas, não era o meu caso.

Comecei a trabalhar, e percebi que aquele serviço, aquele lugar e aquelas pessoas não tinham nada a ver comigo, e começou a me bater um desespero. É muito ruim trabalhar em algo que não nos identificamos, e acabamos carregando um peso sob nós. Conversei com meu namorado sobre o que eu sentia e ele tentou me encorajar, dizendo que tudo isso seria para o nosso futuro, e assim seguimos. Após alguns acontecimentos que compartilhei com ele, ele acabou analisando toda a situação, leu meu contrato de trabalho e disse que não valeria a pena, pois esta situação está afetando minha vida, e a remuneração nem faz diferença em nosso orçamento, e disse que eu deveria sair e continuar procurando algo melhor.

Então gostaria de alertar a todos que, nem todo tipo de trabalho é para a gente, isso é normal, não se sinta fracassado(a), como eu estava me sentindo, digo isso principalmente para as pessoas que moram fora do Brasil, se um trabalho realmente te fizer sentir como eu me sinto, continue procurando, busque coisas melhores, e se caso realmente precise dele para se sustentar, aceite, mas não deixe de continuar procurando.

Bom, ainda não resolvi o que irei fazer sobre o meu emprego, mas é bom saber que tenho alguém ao meu lado me apoiando em qualquer decisão. E gostaria de compartilhar com vocês, pois sei que muitas pessoas passam pelo mesmo que eu, e as vezes é melhor reavaliar toda a situação, e ver se realmente está valendo a pena.

Assim que eu tiver alguma novidade sobre a decisão que tomei, volto aqui para atualizar vocês.

Beeijos
;*

O que aprendi em 26 anos?!

Faltam apenas 04 dias para o meu aniversário de 27 anos… acredito que seja normal ficarmos mais introspectivos nesta fase, pelo menos comigo é sempre assim. Neste ano estou tentando algo novo para celebrar esta data, e ao contrário do que muitas pessoas fazem, que é traçar as metas para essa nova fase, eu vou agradecer e refletir sobre tudo que aprendi até aqui.

Os anos de 2017 e 2018 foram e continuam sendo bem complicados para mim, portanto, resolvi que como mágica, assim que eu fizesse 27 anos deixaria algumas coisas para trás… coisas que já me atrapalharam em algum momento, e que não estou disposta a permitir que continue afetando a minha vida. E gostaria de compartilhar por aqui:

Detox de Redes Sociais

Semana passada fiquei refletindo sobre o tempo que eu perdia, vendo stories de pessoas que não me agregavam nada. Eu sou viciada em assistir stories, porém, nem todo mundo tem um conteúdo que me agrada, e ficar consumindo este conteúdo estava me fazendo mal. Resolvi então fazer esse “detox”, e deixei de seguir muita gente, até pessoas que eu realmente conhecia, mas que não tinham um conteúdo que eu gostava de assistir (quando digo que não gosto do conteúdo , me refiro à futilidades, pessoas fazendo caras e bocas, compartilhando a faxina de suas casas e entre outras coisas). Agora estou partindo para a limpeza nos canais do Youtube e depois para o facebook (que já quase não utilizo).

Ver sempre o lado positivo

Com o passar dos anos aprendi a ser mais paciente e a ver sempre o lado positivo das coisas que acontecem. Hoje posso afirmar que tudo que aconteceu na minha vida, consegui tirar algum aprendizado, e muitas vezes entender o motivo de algumas coisas terem dado errado.

Resiliência

Conforme já contei aqui, o projeto inicial era de irmos para a Irlanda, e realmente fomos, mas ao chegarmos lá vimos que não seria o tipo de vida que estávamos planejando para nós… a crise imobiliária estava terrível, e estava sendo praticamente impossível encontrar um imóvel para nós, e estávamos dependendo disso para trazermos nossa cachorrinha para a Europa. Tudo isso acumulou, e nós resolvemos retornar para Portugal. Com esta experiência aprendi que nem sempre os planos saem conforme o esperado, e que devemos estar abertos para as novas possibilidades. Hoje levo a vida de uma forma muito mais leve… hoje estou aqui, mas não descarto futuras mudanças.

Ser mais grata e estabelecer menos metas

No ano de 2016 estabeleci um monte de metas para 2017, e quando o ano estava prestes a terminar fui rever e ver quais havia atingido, e fiquei pasma ao perceber que não havia atingido nenhuma… o ano passado foi o ano mais difícil de toda a minha vida, e ao me deparar com esta situação fiquei muito desapontada, o que me deixou com uma carga emocional mais negativa ainda. Então, resolvi que em 2018 não teria metas, e que não me cobraria por nenhum resultado… literalmente o que vier é lucro.

Acho que essa decisão foi crucial na minha vida, sou ansiosa demais então achei por bem não estimular mais ansiedade. Este ano pretendo estabelecer algumas metas para o próximo ano, mas nada inatingível ou que exija muita cobrança por minha parte, pois acho que já me cobrei demais.

Valorizar quem sou

Hoje eu aprendi a gostar da minha própria companhia, me valorizar e valorizar minha capacidade. Muitas pessoas vão tentar te diminuir, tentar fazer com que você não se sinta merecedor, mas nada disso mais me afeta. Eu sei da minha história, sei da minha criação, meus valores, ambições… hoje sei que mesmo sozinha seria capaz de conquistar os meus objetivos. Não foi fácil este aprendizado, infelizmente aprendi no momento de maior dificuldade, mas é a maior lição da vida!

Este ano eu percebi que minha saúde mental estava sendo deixada de lado, e busquei por ajuda… muito destes aprendizados foram frutos da minha auto análise… mas um psicólogo pode te ajudar nesta análise. Todas as pessoas deveriam pelo menos uma vez fazer terapia, pois realmente faz bem. É muito bom expor tudo que passa pela sua mente, ou que você guarda no coração, e para uma pessoa neutra, que não tomará partido de nenhum lado, e te fará ter uma outra visão da mesma situação. Eu pretendo voltar a fazer terapia, assim que tudo estiver mais tranquilo por aqui.

Espero que alguma coisa deste texto possa ajudar alguém, seria o melhor presente de aniversário.

Até a próxima! :*